Let's talk: Diminua o ritmo e aproveite a vida

15:39


slow living

Há alguns meses atrás decidi adotar o Slow Living na minha vida e isso me fez crescer muito. O Slow Living é um estilo de vida em que desaceleramos o ritmo frenético que a maioria de nós vivemos e passamos a dar mais importância ao que de fato é importante. É para quem acredita em um estilo de viver mais humano, priorizando a qualidade dos momentos.

Quando eu era mais nova eu sonhava em ser workaholic (viciada em trabalho) porque eu achava que a produção era medida pelo número de coisas que você conseguia fazer em um dia (obrigada Hollywood por implantar essa ideia na minha cabeça). Lembro que desde o ensino médio eu já possuía todos os horários do meu dia preenchido, inclusive nos fins de semana, eu achava que ser assim seria a ponte para o sucesso e eu não poderia ficar pra trás. Depois que fui diagnosticada com TAG e fiz terapia, comecei a perceber que esse ritmo estressante não tinha nada a ver com qualidade de vida e muito menos com produtividade, na verdade isso era uma mentira que me aprisionava todos os dias, pois eu trabalhava e trabalhava mas não tinha tempo para aproveitar momentos bons ao lado de pessoas que amo.

ansiedade

Depois que conheci o Slow Living comecei a me livrar de tudo aquilo que não fosse bom pra mim, amizades destrutivas ou que fiz somente por network, mas que não eram boas pra mim, roupas que não combinavam comigo, mas que eu mantinha só porque vi alguém usando e nela parecia tão legal, coisas que eu acumulava não sei por que mas acumulava  e não tinha serventia nenhuma. Fiz uma limpa também em atividades que eu fazia, mas que não tinham nenhum sentido pra mim. Dessa forma pude ver o que era importante na minha vida, quem eu era (ainda tô no processo), quais eram meus reais objetivos, o que me fazia feliz e o mais importante, o que não fazia.

Slow living, texto, ansiedade

Acho que uma das melhores coisas desse estilo de vida foi perceber que eu não precisava me espelhar no mundo barulhento aqui fora, tudo que eu precisava era olhar pra dentro de mim e me conhecer. Isso não significa que fiquei parada esperando a morte chegar ou saí do emprego, nada disso, eu apenas diminuí o ritmo frenético, organizei melhor meu tempo para não desperdiçar com coisas sem sentido e passei a aproveitar mais a minha família, meus amigos, atividades que gosto e etc.

Não há motivos pra pressa, não há uma competição de verdade, a vida é bonita quando olhamos por outra ótica e tudo tem seu tempo, foram os maiores aprendizados desde então. Com toda essa mudança passei a ter mais consciência do que faço, do que sou, do que me faz feliz e refletiu também na forma como eu como trato os outros, a forma como eu consumo. Além disso, eu adotei o minimalismo que de certa forma eu já seguia, mas não sabia que se chamava assim, mas sobre ele falaremos no próximo capitulo.

Outras belezinhas

2 comentários

  1. Diminuir o ritmo é bom e faz bem para alma. Eu , apesar de fazer muita coisa e parecer que corro que nem louca, tenho uma vida pacata , graças a Deus. Já tive minha fases de Workaholic, mas decidi optar por equilibrar as coisas. Gosto muito de ser produtiva, mas para ter tempo para fazer coisas que me fazem feliz, como uma trilha no parque, uma viagem ou simplesmente ir ao cinema com o marido no meio da semana. Eu louvo a Deus por estar conseguindo, porque nossa sociedade cruelmente nos pressiona para sermos máquinas e quem entra nessa onda deixa de viver.
    Amei seu texto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também era muito workholic, mas depois que descobri a TAG passei a querer uma vida mais saudável e sem esse estresse todo do dia a dia ( ainda me estresso , mas bem menos agora ). Obrigada por ter dado uma olhadinha no texto, é importante pra mim <3

      Excluir